34.5 C
Brasil
segunda-feira, junho 21, 2021
Início Justiça Projeto de lei no Congresso puniria Gentili e libertaria Daniel Silveira

Projeto de lei no Congresso puniria Gentili e libertaria Daniel Silveira

A Câmara dos Deputados aprovou na 4ª feira (4.mai.2021) a Lei de Defesa do Estado Democrático de Direito, que será analisada pelo Senado. O texto será um capítulo do Código Penal e revogará a LSN (Lei de Segurança Nacional), usada por diferentes segmentos para reivindicar na Justiça punição quando se sentem atacados.

O novo texto levaria à punição de algumas pessoas não alcançadas pela LSN hoje, enquanto isentaria algumas que tem sido punidas, na avaliação da relatora do projeto na Câmara, Margarete Coelho (PP-PI).

O humorista Danilo Gentili, por exemplo, estaria na mira das novas regras. “Ele seria enquadrado no crime de insurreição”, disse a deputada ao Poder360. Assista (48min40s).

Em seu perfil no Twitter, o humorista e apresentador sugeriu que a população entrasse no Congresso para “socar” deputados que discutiam a PEC da imunidade parlamentar. A direção da Câmara pediu providências ao STF (Supremo Tribunal Federal), mas Gentili não foi punido.

Por outro lado, o texto possivelmente deixaria livre, a depender da interpretação do juiz, o deputado Daniel Silveira (PSL-RJ). Ele está preso por ofensas a ministros do STF. A decisão do ministro Alexandre de Moraes usa a LSN. A nova lei atingiria o congressista se alguma declaração atentasse contra a existência do tribunal. “Crimes contra a honra o Código Penal já prevê”, afirmou Margarete Coelho.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Uma controvérsia é o uso 5 vezes no texto do termo “grave ameaça“, considerado ambíguo. Um risco é que isso leve ao cerceamento da liberdade de expressão. A deputada acha que não haverá dúvidas quanto à interpretação. “É usado fartamente no Código Penal”.

Outro ponto incomodou especialmente parte dos apoiadores do governo que são mais próximos ao Planalto: a punição a disparos de mensagens em massa.

Minha defesa é muito veemente desse dispositivo. Não estamos falando da Tia do Zap nem de grandes influenciadores digitais, como Felipe Neto. O que nós tipificamos foi a conduta de contratar uma empresa que trabalha com instrumentos que fazem disparo em massa de mensagens com vistas a acabar a democracia”, afirmou a deputada.

regras eleitorais

Margarete Coelho é também relatora de um grupo de trabalho que fará proposta de lei sobre mudanças nas regras eleitorais até o fim de maio. A ideia do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), é que sejam aprovadas até setembro para valer na próxima eleição, em 2022.

Uma das mudanças a ser propostas será provavelmente ampliar a liberdade à propaganda eleitoral. “Por que não posso pintar o muro da minha casa?”, disse a deputada. O que importa, na avaliação dela, é que seja respeitado o limite para gastos com essas atividades. Mas ela discorda de que showmícios sejam autorizados.

A volta da permissão de doações de empresas a campanhas políticas é outra mudança que poderá ser proposta. Margarete Coelho é favorável, desde que haja um limite por empresa, a ser dividido entre o candidato ou os candidatos que se queira apoiar. Mas ela tem dúvidas de que a proposta seria aprovada. “Não vejo disposição para isso na Casa”, afirmou.

A deputada defende outro ponto mais ousado: a regulamentação de mandatos coletivos. “Eu gostaria de ver isso no projeto”, disse. Ela não sabe ainda se o item poderá ser estabelecido em uma lei.

Nos mandatos coletivos, várias pessoas dividem uma cadeira de vereador ou deputado, por exemplo. Hoje isso é feito informalmente. Só uma pessoa assume o mandato de fato, mas divide as decisões com os outros membros do grupo.

- Advertisment -

Popular

TJAC – Multa por descumprimento de ordem judicial é aumentada

Juízo do 1º Grau tinha determinado que a empresa desbloqueasse perfil de motorista, mas a ordem foi descumprida, por isso, o autor recorreu novamente...

Sistema do TRF3 agiliza elaboração de documentos nos processos

SIGMA utiliza a ferramenta de inteligência artificial SINARA, que identifica o assunto de uma ação e sugere modelos de minutas Em todos os gabinetes do...

TRT/RJ cria Centro de Inteligência regional

A Presidência do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) intituiu, por meio da Resolução Administrativa n° 12/2021 (link para outro sítio), o Centro de Inteligência em...

Vinhos – saiba o que você está fazendo errado

De acordo com Marco Antonio Carbonari, produtor e proprietário da vinícola Villa Santa Maria, quando uma pessoa começa a adentrar no universo...