24.1 C
Brasil
quinta-feira, abril 15, 2021
Início Justiça Pazuello é um general radioativo, escreve Thomas Traumann

Pazuello é um general radioativo, escreve Thomas Traumann

O ex-ministro da Saúde e general da ativa Eduardo Pazuello virou radioativo para as Forças Armadas. A sua demissão às vésperas de o país chegar a 300 mil mortes por covid-19 o transformou em um símbolo de negligência, imperícia e imprudência que marcará a reputação do Exército por anos.

Mas nada é tão ruim que não possa piorar. Na última semana, generais do Alto Comando traçaram como “possível” o cenário no qual a Justiça aceitaria uma das dezenas de ações envolvendo a desastrosa gestão de Pazuello. Os generais temem que uma eventual detenção de Pazuello possa ser a  ignição para novo conflito entre o bolsonarismo radical contra o Judiciário, podendo arrastar parte da oficialidade para a disputa.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

Foi com esse pretexto que generais da reserva, incluindo ministros com cargo no Palácio do Planalto, tentaram convencer o presidente Jair Bolsonaro a transferir Pazuello para outro ministério, como a Secretaria de Assuntos Estratégicos. A Marinha, que comanda a pasta através do almirante Flavio Rocha, reagiu e Pazuello terminou sem cargo até a 4ª feira (24.mar.2021). Com isso, Pazuello perdeu o foro privilegiado e pode ser acionado pela Justiça de 1ª Instância.

Na 4ª feira, o ministro do STF Ricardo Lewandowski enviou à Justiça Federal do Distrito Federal pedido da Ordem dos Advogados do Brasil que pede a investigação da responsabilidade de Pazuello pela falta de oxigênio nos hospitais de Manaus, em janeiro e fevereiro. Entendimento consensual entre os ministros do Supremo aponta que mesmo que Pazuello seja nomeado novamente para outro ministério, ele já perdeu o foro privilegiado desta ação. De acordo com as contas que o próprio Pazuello apresentou a colegas, existem cerca de 40 ações sobre sua gestão no Ministério.

“Ninguém defende a impunidade, mas seria delicado se um general da ativa fosse vítima de um processo revanchista”, disse um general com assento no Alto Comando, que pediu para não ter seu nome revelado.

A indicação de Pazuello para o Ministério da Saúde causou atrito no Comando do Exército desde o início, em maio de 2020. Os generais do Alto Comando preferiam que  Pazuello tivesse pedido baixa quando aceitou o convite de Bolsonaro, delimitando uma distância da sua ação como agente público e as Forças Armadas. Eles não conseguiram convencê-lo porque outro general da ativa, Luiz Eduardo Ramos, passou meses como ministro da Secretaria de Governo sem pedir para ir para a reserva.

Embora o senso comum seja de que as Forças Armadas estão ocupando o governo Bolsonaro, para muitos generais é o contrário. “O Pazuello nunca teve ambição de ser ministro. Foi lá cumprir uma missão e o tiraram semanas antes da chegada de várias encomendas de vacinas. Ele foi bucha de canhão do governo”, disse outro general da reserva. “O Pazuello podia ter saído como herói se tivesse largado o governo no ano passado, quando o presidente começou a falar contra a vacina. Não fez porque não é oportunista, porque foi leal”, defendeu um ministro militar.

Pazuello transferiu o cargo na 4ª feira em um discurso afogado em mágoas e responsabilizando os políticos que apoiam o governo no Congresso pela sua queda.  De acordo com Pazuello, havia um grupo de médicos da pasta disposto a boicotá-lo e políticos que viam o ministério como alvo para desvio de recursos. “O ministério é o foco, o aval das pressões políticas. Por quê? Por causa do dinheiro que é destinado aqui de forma discricionária […]. A operação de grana com fins políticos acontece aqui. Acabamos com 100%? Claro que não, 100% nem Jesus Cristo. Nós acabamos com muito”, declarou em um vídeo, ao lado do seu sucessor, o médico Marcelo Queiroga.

- Advertisment -

Popular

Deputado Aliel Machado, do PSB, vai presidir comissão da PEC da 2ª Instância

O deputado Aliel Machado (PSB-PR) é o novo presidente da comissão especial da Câmara que discute a PEC (proposta de emenda à Constituição) que...

Laudos da Anvisa apontam ao menos 15 pontos críticos sobre vacina Sputnik V

Documentos internos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) apontam pelo menos 15 pontos críticos que podem comprometer a qualidade, a segurança e a...

Câmara volta a discutir PEC da 2ª Instância e comissão terá novo presidente

A comissão especial da Câmara que discute a PEC (proposta de emenda à Constituição) 199 de 2019, que estabelece o início do cumprimento de...

Justiça manda Band Rio reduzir tempo cedido a igrejas na programação da TV

A Justiça Federal do Rio de Janeiro determinou que a TV Bandeirantes no Estado reduza o tempo cedido a instituições religiosas na programação. De...