28.2 C
Brasil
quinta-feira, abril 22, 2021
Início Justiça MP pede prisão da viúva do Capitão Adriano e de PMs por...

MP pede prisão da viúva do Capitão Adriano e de PMs por lavagem de dinheiro

O MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) realiza nesta 2ª feira (22.mar.2021) operação para investigar suposta organização criminosa envolvida na prática de lavagem de dinheiro e agiotagem. De acordo com a Promotoria, os negócios de Adriano da Nóbrega, ex-capitão do Bope (Batalhão de Operações Especiais), que foi morto na Bahia em fevereiro do ano passado, tinha um grupo de apoio, comandado por sua viúva, Julia Emilia Mello Lotufo.

Além de Julia, outras duas pessoas seriam responsáveis pela organização: o soldado da Polícia Militar Rodrigo Bittencourt e Daniel Haddad Bittencourt Fernandes Leal. Os 3 tiveram a prisão decretada. Outros 27 mandados de busca e apreensão foram executados e 9 pessoas foram denunciadas, incluindo um sargento e outro soldado da PM.

A Justiça atendeu a pedido do MP-RJ e determinou também o bloqueio de R$ 8,4 milhões, que seria o valor movimentado pelo grupo, e a apreensão de um haras e de automóveis. A lavagem de dinheiro e a agiotagem aconteciam desde 2017, segundo os promotores do Rio, sob o comando do Capitão Adriano. Os crimes teriam sido praticados até a morte do ex-policial, em fevereiro de 2020.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

A principal atividade do grupo seria a agiotagem. O empréstimo de dinheiro era acompanhado de taxas de juros de até 22%, com uso de empresas de fachada. A origem do dinheiro, segundo as investigações, era dos crimes da milícia Rio das Pedras, da qual Adriano era acusado de integrar.

Julia cuidava principalmente de atividades de apoio, como a contabilidade do grupo e a gestão financeira, diz o MP-RJ. Após a morte de Adriano, o capital das empresas de fachada foi completamente transferido para os irmãos dela, Lucas Lotufo e David Lotufo, que também fariam parte do esquema e foram denunciados.

A denúncia inclui ainda o nome do PM Luiz Carlos Felipe Martins, conhecido como Orelha. Ele é apontado como integrante da organização criminosa e homem de confiança de Adriano. Mas o caso contra ele será extinto porque ele foi morto no sábado (20.mar), em Realengo, após ser alvo de um tiro disparado de um carro. O crime está sob investigação.

Capitão Adriano

O ex-capitão do Bope Adriano Magalhães de Nóbrega morreu em 9 de fevereiro de 2020 depois de troca de tiros com policiais militares em uma zona rural da Bahia. Desde janeiro de 2019, havia um mandado de prisão contra ele por ser apontado como o chefe da milícia do Rio das Pedras e do chamado “Escritório do Crime”, investigado no inquérito que apura o assassinato de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro morta a tiros em 14 de março de 2018.

Além da acusação de fazer parte da milícia carioca, havia indícios de que o Capitão Adriano mantinha atividades com o jogo do bicho, com máquinas caça-níqueis e até com a contratação profissional de homicídios. Ele também foi mencionado na investigação conduzida pelo do Ministério Público do Rio de Janeiro sobre a possível prática de “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro quando o atual senador era deputado estadual fluminense.

“Rachadinha” é um esquema ilegal em que o deputado estadual ou federal contrata funcionários e pede que devolvam por fora parte ou todo o salário. De acordo com o Ministério Público fluminense, Adriano teve contas bancárias usadas para que o dinheiro chegasse a Fabrício Queiroz –que foi assessor de Flávio Bolsonaro e é um dos suspeitos de comandar o esquema de “rachadinhas”.

Tanto Queiroz como Adriano foram ao mesmo tempo do 18º Batalhão da Polícia Militar do Rio. Queiroz ajudou na contratação da ex-mulher e da mãe de Adriano no gabinete de Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

Adriano também era próximo do presidente Jair Bolsonaro. Quando era deputado federal, há 15 anos, Bolsonaro fez um discurso em homenagem ao então policial militar. Em 27 de outubro de 2005, o presidente afirmou que Adriano era um “brilhante oficial”. À época, Adriano era acusado de participar do homicídio de um guardador de carros e havia sido condenado em 1ª Instância. Depois, recorreu em 2006, foi solto e absolvido em 2017.

Quando Adriano foi morto, Bolsonaro atacou o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e culpou a PM do Estado. “Quem é o responsável pela morte do capitão Adriano? PM da Bahia, do PT”, afirmou o presidente em 15 de fevereiro de 2020. Ele disse ainda que Adriano não tinha sido condenado pelos crimes dos quais era acusado. “Até a data da sua morte, nenhuma sentença condenatória transitou em julgado em desfavor do mesmo”.

- Advertisment -

Popular

MP-RJ recorre decisão que anulou quebra de sigilo no caso das “rachadinhas”

O MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) recorreu na 4ª feira (21.abr.2021) contra a decisão do ministro Jorge Mussi, vice-presidente do...

STF decide que processos de Lula vão para Justiça Federal do DF

Por maioria de votos, o STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu, nesta 5ª feira (22.abr.2021), que os processos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva...

Ao vivo: STF retoma julgamento sobre anulação das condenações de Lula

O plenário do STF (Supremo Tribunal Federal) continua, nesta 5ª feira (22.abr.2021) o julgamento que confirmou a anulação das condenações do ex-presidente Lula.Falta analisar um...

Receita Federal publica novas regras sobre documentos digitais

Instrução normativa dispõe sobre a entrega de documentos e a interação eletrônica em processos digitais e simplifica procedimentos. A Receita Federal publicou na última terça-feira...