22.1 C
Brasil
domingo, junho 20, 2021
Início Justiça Milícia ganha R$ 4 milhões por prédio construído em Rio das Pedras

Milícia ganha R$ 4 milhões por prédio construído em Rio das Pedras

Uma investigação sobre a atuação de milícias na região de Rio das Pedras, no Rio de Janeiro, mostra que os grupos paramilitares faturam mais de R$ 4 milhões por prédio na área. Os prédios irregulares são construídos em comunidades da Zona Oeste do Rio e protagonizam tragédias como o desabamento na Muzema em 2019.

As informações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) e do Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas) indicam um esquema que conta com a ajuda de policiais civis e militares, funcionários da prefeitura e um juiz. As informações são do jornal O Globo que teve acesso ao inquérito do MP (Ministério Público).

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

A investigação levou à prisão de 9 pessoas em dezembro de 2020. Também forneceu detalhes para as autoridades sobre como o esquema funcionava. Um dos homens presos foi Clayton Luiz Vieira, conhecido como o arquiteto da milícia. Em um diálogo dele com outra pessoa, em julho de 2019, ele afirmou que as obras continuaram normalmente depois da tragédia na Muzema.

É à moda Bangu, é sem licença”, disse Vieira. As obras não tinham um engenheiro responsável e eram erguidas sem adequação a parâmetros técnicos de segurança.

As conversas obtidas na investigação também mostram os lucros da milícia. Em maio de 2019, semanas depois do desabamento na Muzema, o grupo lamentou a demolição de um prédio irregular na área.

Renato vendeu todos os apartamentos, já tinha recebido R$ 1,6 milhão e ainda tinha mais de R$ 3 milhões para receber”, disse um dos empreiteiros do grupo, Ivonaldo de Souza Costa, conhecido como Pepe.

O vendedor seria Renato Siqueira Ribeiro, que foi preso 2 meses depois. Foi ele quem vendeu os apartamentos que desabaram na Muzema. Renato foi libertado há duas semanas e responderá o processo em liberdade.

As conversas interceptadas mostram a combinação, em códigos, de propinas para funcionários da prefeitura do Rio de Janeiro, assim como para policiais civis e militares. Também há diálogos que mostram que um juiz repassava informações sobre os prédios que seriam demolidos para milícias. Dois policiais civis e um militar foram presos. Um dos policiais civis, Alex Fabiano Costa de Abreu, foi solto e colocado em liberdade provisória em março.

- Advertisment -

Popular

Presidente da ANPR defende fim da recondução do PGR e mandatos maiores

O novo presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), Ubiratan Cazetta, diz ser contrário à recondução do Procurador-Geral da República ao cargo....

Presidentes da Câmara, Senado, STF e STJ lamentam mortes; Bolsonaro silencia

Os presidentes Arthur Lira (Câmara), Rodrigo Pacheco (Senado), Luiz Fux (STF) e Humberto Martins (STJ) publicaram notas, separadamente, lamentando as 500 mil mortes pela...

Bolsonaro diz ao STF que Leite faz má-gestão, mas nega ter o acusado de crime

Em resposta enviada ao STF (Supremo Tribunal Federal), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB),...

Fundo de investimento compra OAS por R$ 4,5 bilhões

A OAS, que foi uma das maiores empreiteiras do Brasil, foi vendida para um fundo de investimentos por R$ 4,5 bilhões. Os detalhes da...