30.7 C
Brasil
segunda-feira, junho 21, 2021
Início Justiça Fachin restitui validade nacional de colaboração de Youssef no caso Banestado

Fachin restitui validade nacional de colaboração de Youssef no caso Banestado

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin anulou uma decisão do TJ-PR (Tribunal de Justiça do Paraná) que cancelou o acordo de colaboração premiada fechado em 2004 entre o doleiro Alberto Youssef e o MP-PR (Ministério Público do Paraná). A Justiça estadual havia rescindido o acordo em 2018, depois que o doleiro foi condenado na operação Lava Jato.

Youssef fechou um 1º acordo em 2003 com a 13ª Vara da Justiça Federal de Curitiba, em processo relacionado ao caso Banestado. A investigação mirava remessas ilegais de dinheiro ao exterior pelo sistema financeiro público brasileiro. No ano seguinte ele fechou um novo acordo para o mesmo caso, com o MP-PR, que foi vinculado ao anterior.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

A partir da operação Lava Jato, Youssef firmou um acordo com a PGR (Procuradoria Geral da República), que foi homologado pelo ministro do STF Teori Zavascki em 2014.

Segundo Fachin, só o STF tem autoridade para cancelar os efeitos do acordo. O ministro afirmou que a colaboração premiada homologada pela Corte trata de procedimentos analisados pela 13ª Vara de Curitiba, envolvendo a prática de crimes contra o sistema financeiro, corrupção, peculato, lavagem de dinheiro e de organização criminosa, inclusive fatos contemplados no Caso Banestado.

Fachin também argumentou que há decisões da Corte estabelecendo que “princípios da segurança jurídica e da proteção da confiança tornam indeclinável o dever estatal de honrar o compromisso assumido no acordo de colaboração”.

- Advertisment -

Popular

Sistema do TRF3 agiliza elaboração de documentos nos processos

SIGMA utiliza a ferramenta de inteligência artificial SINARA, que identifica o assunto de uma ação e sugere modelos de minutas Em todos os gabinetes do...

TRT/RJ cria Centro de Inteligência regional

A Presidência do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ) intituiu, por meio da Resolução Administrativa n° 12/2021 (link para outro sítio), o Centro de Inteligência em...

Vinhos – saiba o que você está fazendo errado

De acordo com Marco Antonio Carbonari, produtor e proprietário da vinícola Villa Santa Maria, quando uma pessoa começa a adentrar no universo...

TRT-2 – Acidente no percurso para o trabalho só gera direito à indenização se houver dolo ou culpa da empresa

Acidente in itinere (no trajeto de ida ou volta ao trabalho) só se equipara a acidente de trabalho para fins previdenciários. Com essa fundamentação,...