22.1 C
Brasil
domingo, junho 20, 2021
Início Justiça Empresário que disparou contra PF achou que era assalto, diz defesa

Empresário que disparou contra PF achou que era assalto, diz defesa

A defesa do empresário Nilton Lins, dono de hospital homônimo em Manaus, afirmou que o incidente envolvendo disparos contra agentes da PF (Polícia Federal) durante buscas na manhã desta 4ª feira (2.jun.2021) foi um mal-entendido. Lins teria se confundido e acreditado que estava sofrendo um assalto.

O empresário foi um dos alvos de buscas da nova fase da Operação Sangria, que investiga desvio de verbas da pandemia no Amazonas. Durante a diligência, ele atirou contra os agentes. A PGR (Procuradoria Geral da República) informou o STJ (Superior Tribunal de Justiça) sobre o episódio.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

O sr. Nilton Lins não identificou a presença da equipe da Polícia Federal e acreditou estar sendo vítima de um assalto. Já aconteceu situação análoga anteriormente e ele e a família foram feitos de refém“, disse ao Poder360 o criminalista José Carlos Cavalcanti, responsável pela defesa do empresário.

Segundo Cavalcanti, após perceber que se tratava da PF, Lins se entregou às autoridades e foi levado à delegacia. O advogado disse que a arma do empresário é registrada. Em relação às acusações, Cavalcanti disse que ainda não teve acesso aos autos para se manifestar.

Mais cedo, durante a sessão da Corte Especial do STJ, a subprocuradora Lindôra Araújo relatou o episódio aos ministros. Disse que foi uma “situação bastante constrangedora e perigosa“.

É a primeira vez que vejo, em 30 anos, alguém receber a tiros uma operação de busca e apreensão, achei por bem comunicar a Corte”, disse Araújo. “Foi uma situação muito sui generis, nunca tinha visto acontecer.

A nova etapa da Sangria investiga irregularidades na dispensa de licitação relacionadas ao hospital administrado por Nilton Lins, além da não prestação dos serviços contratados.

Como parte do inquérito, a PF cumpriu 19 mandados de busca e apreensão e 6 de prisão em Manaus. Também participaram da operação a CGU (Controladoria Geral da União) e o MPF (Ministério Público Federal).

- Advertisment -

Popular

Presidente da ANPR defende fim da recondução do PGR e mandatos maiores

O novo presidente da ANPR (Associação Nacional dos Procuradores da República), Ubiratan Cazetta, diz ser contrário à recondução do Procurador-Geral da República ao cargo....

Presidentes da Câmara, Senado, STF e STJ lamentam mortes; Bolsonaro silencia

Os presidentes Arthur Lira (Câmara), Rodrigo Pacheco (Senado), Luiz Fux (STF) e Humberto Martins (STJ) publicaram notas, separadamente, lamentando as 500 mil mortes pela...

Bolsonaro diz ao STF que Leite faz má-gestão, mas nega ter o acusado de crime

Em resposta enviada ao STF (Supremo Tribunal Federal), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB),...

Fundo de investimento compra OAS por R$ 4,5 bilhões

A OAS, que foi uma das maiores empreiteiras do Brasil, foi vendida para um fundo de investimentos por R$ 4,5 bilhões. Os detalhes da...