24.1 C
Brasil
quinta-feira, abril 15, 2021
Início Justiça Bolsonaro diz que entrou com ação no STF contra decreto de governadores

Bolsonaro diz que entrou com ação no STF contra decreto de governadores

O presidente Jair Bolsonaro disse nessa 5ª feira (18.mar.2021) que a AGU (Advocacia Geral da União) entrou com uma ação no STF (Supremo Tribunal Federal) contra decretos estaduais de 3 governadores, sem especificar de quais Estados.

A ADI (ação direta de inconstitucionalidade) se refere às medidas de restrição impostas para conter o avanço da pandemia da covid-19. Entre elas, o toque de recolher.

Isso [toque de recolher] é estado de defesa, estado de sítio que só uma pessoa pode decretar: eu”, declarou Bolsonaro em live transmitida em seus perfis nas redes sociais.

Bolsonaro argumentou que, quando assina um decreto como o firmado pelos governadores, é preciso que o Congresso dê o aval para que as medidas entrem em vigor.

O presidente chamou governadores e prefeitos que impuseram medidas restritivas de “projetos de ditadores” que, em sua visão, podem “usurpar” a Constituição por meio dos atos.

O STF decidiu, em abril de 2020, que Estados e municípios têm autonomia para tomarem as medidas que acharem necessárias para combater o coronavírus. Governadores e prefeitos também podem definir o que são serviços essenciais.

.mod-newsletter.full .title, .mod-newsletter.full h1 {font-size:18px;text-transform:none;} input.submit{margin-top: 0.2px !important;} .mod-newsletter.full .title small, .mod-newsletter.full h1 small{font-size:16px;}.mod-newsletter .title, .mod-newsletter
h1{font-family:”Prelo”,sans-serif;}.mod-newsletter.full input[type=text]{font-size:14px;padding: 10px 7px;}.mod-newsletter.full input[type=submit] {padding:9px 0;margin-top:-21px}.mod-newsletter.full {margin:15px 10px; padding:20px 15px 15px; border: 1px solid #d2d2d2; background:transparent; background-color#fff;}.enviar .container {width:100%;}.content.wp h1, .content.wp h2 .enviar{margin:0;}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1{font-size:15px;}}@media only screen and (max-width: 1279px){.mod-newsletter.full h1 small{font-size:14px;}}@media only screen and (max-width: 767px){.mod-newsletter.full h1 {padding-bottom:11px;}}

Receba a newsletter do Poder360

O chefe do Executivo afirmou que enviou ao Congresso um PL (projeto de lei) para definir o que são atividades consideradas essenciais durante a pandemia. Segundo Bolsonaro, são todas as que servem “para o cidadão botar pão na mesa”.

Então, tudo passa a ser atividade essencial”, declarou. “O povo disse nas ruas que quer trabalhar.”

O presidente disse que ambas as medidas –a ação no Supremo e o PL– foram tomadas para dar satisfação aos grupos que se manifestam contra as medidas restritivas adotadas por Estados e municípios.

A maior produção que nós podemos ter é a nossa liberdade e a nossa democracia, que a gente sabe que, pelo que a gente vê acontecendo no Brasil, parece que não estão tão sólidas assim, devemos nos preocupar com isso”, falou.

É preciso “restabelecer a ordem”, declarou Bolsonaro.

Temos que cada um reconhecer sua importância e seus limites, senão o caldo pode entornar, ter briga em casa, ter tensões entre poderes, e ninguém quer isso aí.

CRÍTICAS A MANDETTA

Na mesma transmissão ao vivo, Bolsonaro voltou a defender o “tratamento inicial” contra covid-19. Ele imitou uma pessoa com falta de ar, fazendo alguns sons guturais, ao criticar quem se opõe à prática e também o seu 1º ministro da Saúde, Henrique Mandetta, demitido nos meses iniciais da pandemia:

O apelo que eu faço a quem é contra [o tratamento inicial]… Sem problemas. Se você começar a sentir um negócio esquisito lá, você segue a receita do ministro Mandetta. Você vai para casa, e quando você estiver lá… [barulhos de alguém sufocando] com falta de ar, aí você vai para o hospital”.

Quando era ministro, Mandetta pediu que os brasileiros só procurassem atendimento relacionado à covid-19 caso sentissem falta de ar.

Na época eu perguntei pro Mandetta: Mandetta, o cara com falta de ar vai para o hospital para fazer o quê?”, continuou Bolsonaro, na live desta 5ª (18.mar). Ele deu a entender que a resposta do ex-ministro foi “para ser entubado”.

Em 9 de julho, o Ministério da Saúde passou a recomendar oficialmente que todos aqueles com sintomas suspeitos de covid-19 recorram a algum atendimento médico.

A pasta já orienta o uso de hidroxicloroquina para casos leves desde maio. Não há evidência definitiva que o medicamento seja eficaz contra o coronavírus

- Advertisment -

Popular

Deputado Aliel Machado, do PSB, vai presidir comissão da PEC da 2ª Instância

O deputado Aliel Machado (PSB-PR) é o novo presidente da comissão especial da Câmara que discute a PEC (proposta de emenda à Constituição) que...

Laudos da Anvisa apontam ao menos 15 pontos críticos sobre vacina Sputnik V

Documentos internos da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) apontam pelo menos 15 pontos críticos que podem comprometer a qualidade, a segurança e a...

Câmara volta a discutir PEC da 2ª Instância e comissão terá novo presidente

A comissão especial da Câmara que discute a PEC (proposta de emenda à Constituição) 199 de 2019, que estabelece o início do cumprimento de...

Justiça manda Band Rio reduzir tempo cedido a igrejas na programação da TV

A Justiça Federal do Rio de Janeiro determinou que a TV Bandeirantes no Estado reduza o tempo cedido a instituições religiosas na programação. De...